A CRUZ DE SÃO DAMIÃO

A CRUZ DE SÃO DAMIÃO

 

 

Foi este Crucifixo que São Francisco ouviu dizer, na pequena e abandonada Igreja de São Damião:

- “Francisco, vai e reconstrói minha Igreja“.

 

 

Um artista italiano desconhecido o pintou no século XII num pano colado sobre uma madeira de nogueira.

Ele possui 1,90m de altura, 1,20m de largura e 12cm de espessura.

Este é o Crucifixo e o Cristo glorioso que Santa Clara contemplará durante toda a sua vida, durante todo o tempo em que permaneceu no Mosteiro de São Damião (1212 - 1253). Por isso, falara tantas vezes no “Rei da glória”.

Em 1259, após a morte de Santa Clara, quando as primeira clarissas deixaram a igreja de São Damião e passaram a morar na igreja de São Jorge (atual Basílica de Santa Clara), para ficarem junto do corpo de sua Fundadora, levaram consigo este Crucifixo que ficava sobre o altar.Abaixo vamos analisar cada pedaço que compõe o Crucifixo de São Damião, ressaltando os seus elementos mais significativos:A figura central do ícone é o Cristo, não só por seu tamanho, mas também por ser o Cristo a figura luminosa que domina a cena e transmite luz para as demais figuras.

Os olhos de Jesus estão abertos: Ele olha para o mundo que salvou. Ele vive e é eterno.

A veste de Jesus é um simples pano sobre o quadril - um símbolo tanto do Sumo Sacerdote como de Vítima. O tórax e o pescoço são muito fortes. Atrás dos braços esticados do Cristo está seu túmulo vazio, representado pelo retângulo preto.

Existem 33 figuras no Ícone:

2 imagens de Cristo

1 mão do Pai

5 figuras maiores

2 figuras menores

14 Anjos

2 pessoas nas mãos de Jesus

1 menino pequeno

6 pessoas ao fundo da Cruz

1 galo.

Há 33 cabeças em torno da cruz, dentro das conchas, e sete ao redor da auréola.

Na parte de cima da Cruz A ascensão é retratada no círculo vermelho: Cristo está saindo dele segurando uma cruz dourada, que agora é Seu símbolo de realeza.

As vestimentas são douradas, símbolo de majestade e vitória.

A estola vermelha é um sinal de sua autoridade e dignidade supremas exercidas no amor.

Anjos lhe dão boas-vindas no Reino dos Céus.

IHS são as três primeiras letras do nome de Jesus em grego. NAZARÉ é o Nazareno.

É o Cristo na glória!!!

De dentro do semicírculo, na extremidade mais alta da cruz, está DEUS PAI, se revela numa benção. Esta benção é dada pela mão direita de Deus, com o dedo estendido.

Em torno da cruz há ornamentos caligráficos que podem significar a videira mística, “Eu sou a videira, vós os ramos…” (Jo 15, 5). Na base da cruz há algo que parece ser uma pedra - o símbolo da Igreja. As conchas do mar são símbolos de eternidade, que nos é revelado.

Do lado esquerdo da Cruz Como no evangelho de São João, Maria e João são colocados lado a lado junto à Cruz. O manto de Maria é branco, significando vitória (Ap 3,5), purificação (Ap 7,14) e boas obras (Ap 19,8).  As pedras preciosas no manto dizem respeito às graças do Espírito Santo.

O vermelho escuro usado indica intenso amor, enquanto a veste interna na cor purpúrea lembra a Arca da Aliança (Ex 26, 1-4).

A mão esquerda de Maria está no rosto, retratando a aceitação do amor de João, e sua mão direita aponta para João, enquanto seus olhos proclamam a aceitação das palavras de Cristo: “Mulher, eis aí teu filho” (Jo 19, 26).

O Sangue goteja em João neste momento. O manto de João é cor de rosa que indica sabedoria eterna, enquanto sua túnica é branca - pureza. Sua posição é entre Jesus e Maria, o discípulo amado por ambos. Ele está olhando para Maria, aceitando as palavras de Jesus: “Eis aí tua mãe” (Jo19, 27).

Do lado direito da Cruz Maria Madalena, que era considerada por Jesus de uma forma muito especial, está junto à cruz. Sua mão está no queixo, indicando um segredo “Ele ressuscitou”. Sua veste tem cor escarlate, que simboliza amor, e seu manto azul intensifica este símbolo .Maria de Cléofas usa veste cor castanha, símbolo de humildade, e seu manto verde claro (esperança). Sua admiração por Jesus é demonstrada no gesto de suas mãos.

O centurião segura, na mão esquerda, um pedaço de madeira representado sua participação na construção da sinagoga (Lc 7, 1-10). A criança ao lado é o seu filho curado por Jesus. As três cabeças atrás do menino mostram: “e creu tanto ele, como toda a sua casa” (Jo 19, 28-30). Tem três dedos estendidos, símbolo da Trindade, e os outros dois fechados, simbolizando o mistério das duas naturezas de Jesus Cristo (divina e humana). “Este homem era verdadeiramente o filho de Deus” (Mc 15, 39).

Em tamanho bem menor encontra-se Longinus, soldado romano que feriu o lado de Jesus com uma lança, e Estefânio, que a tradição diz ofereceu a Jesus uma esponja encharcada com vinagre após Ele ter dito “tenho sede” (Jo 19, 28-30).

Na parte de baixo da Cruz Embaixo dos pés de Jesus existem seis santos desconhecidos que estudiosos afirmam ser Damião, Rufino, Miguel, João Batista, Pedro e Paulo, todos patronos de igrejas das vizinhanças de Assis

São Damião era o patrono da igreja que alojou a cruz e São Rufino o patrono de Assis.

Essa parte da pintura está muito danificada e não permite uma adequada identificação.

Há dois grupos de anjos - que animadamente discutem as cenas que se desenrolam diante deles.

“Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3, 16)

Como já foi mencionado, atrás de Cristo está o seu túmulo aberto. Cristo está vivo e venceu a morte                                                                                                       

O vermelho do amor supera o negro da morte.

Os gestos de mão indicam fé, a fé dos santos desconhecidos. Seriam Pedro e João junto ao sepulcro vazio? (Jo 20,3-9). Existe um galo também pintado neste ícone. A sua inclusão recorda a negação de Pedro, que depois chorou amargamente.

O galo igualmente proclama novo despertar do Cristo ressuscitado. Ele que é a verdadeira Luz (1 Jo 2,8). O formato tradicional da cruz foi alterado para permitir ao artista a inclusão de todos aqueles que participaram da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo.

À direita da cruz está o ladrão bom, chamado tradicionalmente Dimas; à esquerda está o ladrão mau.