MARIA E A TRADIÇÃO CATÓLICA - Testemunho de escritos antigos

Toda a Tradição católica fala abundanternente de Nossa Senhora; razão pela qual a Igreja lhe presta um culto especial (hiperdulia - hiperveneração). Testemuhnos escritos dos Santos Padres e Doutores confirrnam a nossa fé. Vejamos um pouco de tudo aquilo que eles nos oferecem sobre a Virgem Maria.

São Cirilo de Alexandria (315-386) - sobre “Maria, Mae de Deus”.

"Causa-me profunda admirarção haver alguns que duvidam em dar à Virgem Santissima o título de Mãe de Deus. Realmente, se Nosso Senhor Jesus Cristo é Deus, por que motivo nao pode ser chamada de Mae de Deus a Virgem Santissima que o gerou? Esta verdade nos foi transmitida pelos discípulos do Senhor, embora nao usassem esta expressao. Assim fomos tambem instruidos pelos santos Padres. Em particular Santo Atanásio (295-373), nosso pai na fé, de ilustre memória, na terceira parte do livro que escreveu sobre a santa e consubstancial Trindade, da frequentemente á Vir­gem Santissima o título de Mãe de Deus.

 

Santo Ireneu (140-202):

"No Cristo que nasce de Maria, é a humanidade toda que renasce á  vida, a solidariedade existente entre Cristo e os homem traz esta conseqüência: a concepção e o nascimento de Jesus já são a redenção por antecipação dos homens."
"Como por uma virgem desobediente foi o homem ferido, caiu e morreu, assim também por meio de uma virgem obediente à pa­lavra de Deus, o homem recobrou a vida. Era jus to e necessário que Adão fosse restaurado em Cristo, e que Eva fosse restaurada em Maria, a Jim de que uma virgem feita advogada de uma virgem.apagasse e abolisse por sua obediência virginal a desobediência d uma virgem."

 

E Santo Efrém (306-373):


"Ó Virgem Senhora, Imaculada deípara (geradora de Deus), senhora minha gloriosíssima, mais sublime que os céus, muito mais pura que os esplendores, raios e fulgores solares... Vara de Aarão que germina, pareceste como verdadeira vara e a flor foi o teu Filho verdadeiro, nosso Cristo Deus e Criador meu. Tu, segundo a carne, geraste Aquele que é Deus e Verbo, conservando a virgindade antes do parto, virgem depois do parto, e fomos reconciliados com Deus teu filho".

 
Sobre a virgindade após o parto:
Santo Agostinho (430)

Com efeito, assim como nesse sepulcro nenhum morto foi sepultado, nem antes, nem depois, (Jo 19,41), também no seio virginal de Maria, nem antes nem depois, ser mortal algum foi concebido.

 
São João Damasceno (675-749):

Eis a Virgem, filha de Adão e Mãe de Deus: por causa de Adão entrega seu corpo a terra, mas por causa de seu Filho eleva a alma aos tabernáculos celestes!

 
São Cirilo de Jerusalém (370-444):
Que arquiteto, erguendo uma casa de moradia, consentiria que seu inimigo a possuísse inteiramente e habitasse?

“Pois não conheço homem algum” (Lc 1,34). Essas palavras indicam a resolução de Maria, opinião comum, fazendo o voto perpétuo de virgindade, o qual significa que aceita a concepção virginal de Cristo – por obra do Espírito Santo - e reafirma seu desejo de permanecer sempre virgem.

 

Segundo São Tomás:

1. O que desde toda eternidade é Filho único do Pai, convém que seja no tempo o filho único de Maria.
2. Seria uma ofensa ao Espírito Santo, o qual santificou para sempre o seio virginal de Maria.
3. Se a dignidade de ser Mãe de Deus supôs a virgindade antes e no parto, essa mesma dignidade segue existindo depois do parto (cf. S. Th. III, q. 28, a.3)

 
Fonte: Aquino, Felipe, Sagrada Tradição e pesquisa www.google.com.br