NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS - E a Medalha Milagrosa

NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS - E a Medalha Milagrosa

Em uma tarde de sábado, no dia 27 de novembro de 1830, na capela das Irmãs Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, Santa Catarina Labouré teve uma visão de Nossa Senhora. A Virgem Santíssima estava de pé sobre um globo, segurando com as duas mãos um outro globo menor, sobre o qual aparecia uma cruzinha de ouro. Dos dedos das suas mãos, que de repente encheram-se de anéis com pedras preciosas, partiam raios luminosos em todas as direções e, num gesto de súplica, Nossa Senhora oferecia o globo ao Senhor.

     Santa Catarina Labouré relatou assim sua visão: "A Virgem Santíssima baixou para mim os olhos e me disse no íntimo de meu coração: 'Este globo que vês representa o mundo inteiro (...) e cada pessoa em particular. Eis o símbolo das graças que derramo sobre as pessoas que as pedem.' Desapareceu, então, o globo que tinha nas mãos e, como se estas não pudessem já com o peso das graças, inclinaram-se para a terra em atitude amorosa. Formou-se em volta da Santíssima Virgem um quadro oval, no qual em letras de ouro se liam estas palavras que cercavam a mesma Senhora: Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós. Ouvi, então, uma voz que me dizia: 'Faça cunhar uma medalha por este modelo; todas as pessoas que a trouxerem receberão grandes graças, sobretudo se a trouxerem no pescoço; as graças serão abundantes, especialmente para aqueles que a usarem com confiança.' "

     Então o quadro se virou, e no verso apareceu a letra M, monograma de Maria, com uma cruz em cima, tendo um terço na base; por baixo da letra M estavam os corações de Jesus e sua Mãe Santíssima. O primeiro cercado por uma coroa de espinhos, e o segundo atravessado por uma espada. Contornando o quadro havia uma coroa de doze estrelas.

     A mesma visão se repetiu várias vezes, sobre o sacrário do altar-mor; ali aparecia Nossa Senhora, sempre com as mãos cheias de graças, estendidas para a terra, e a invocação já referida a envolvê-la.

     O Arcebispo de Paris, Dom Quelen, autorizou a cunhagem da medalha e instaurou um inquérito oficial sobre a origem e os efeitos da medalha, a que a piedade do povo deu o nome de Medalha Milagrosa, ou Medalha de Nossa Senhora das Graças. A conclusão do inquérito foi a seguinte: "A rápida propagação, o grande número de medalhas cunhadas e distribuídas, os admiráveis benefícios e graças singulares obtidos, parecem sinais do céu que confirmam a realidade das aparições, a verdade das narrativas da vidente e a difusão da Medalha".

     Nossa Senhora da Medalha Milagrosa é a mesma Nossa Senhora das Graças, por ter Santa Catarina Labouré ouvido, no princípio da visão, as palavras: "Estes raios são o símbolo das Graças que Maria Santíssima alcança para os homens."

 

Oração à Nossa Senhora das Graças

      Ó Imaculada Virgem Mãe de Deus e nossa Mãe, ao contemplar-vos de braços abertos derramando graças sobre os que vo-las pedem, cheios de confiança na vossa poderosa intercessão, inúmeras vezes manifestada pela Medalha Milagrosa, embora reconhecendo a nossa indignidade por causa de nossas inúmeras culpas, acercamo-nos de vossos pés para vos expôr, durante esta oração, as nossas mais prementes necessidades (momento de silêncio e de pedir a graça desejada).

      Concedei, pois, ó Virgem da Medalha Milagrosa, este favor que confiantes vos solicitamos, para maior Glória de Deus, engrandecimento do vosso nome, e o bem de nossas almas. E para melhor servirmos ao vosso Divino Filho, inspirai-nos profundo ódio ao pecado e dai-nos coragem de nos afirmar sempre como verdadeiros cristãos. Amém.

      Rezar 3 Ave Maria.  Depois: Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós.

 

HISTÓRICO

A Medalha Milagrosa de Nossa Senhora das Graças, cuja festa é comemorada no dia 27 deste mês, é um poderoso recurso oferecido pela Mãe de Deus aos homens, especialmente adequado a épocas de crise como a atual.

“Essa medalha é milagrosa mesmo!” Eis a afirmação textual de uma senhora cearense, cujo filho era alcoólatra e se embriagava continuamente. Aflita, ela resolveu apelar para Aquela que é Mãe de todo o gênero humano, que é Mãe dos filhos como também das mães.

Sabendo dos grandes prodígios e graças alcançados pela Medalha Milagrosa, deu uma ao filho, pedindo-lhe que a levasse sempre na carteira. O rapaz obedeceu e, para surpresa de todos, deixou imediatamente de beber, regenerando-se por inteiro do vício.

O relato emocionante nos foi enviado por um conhecido da família.

*   *   *

 

Foi em 1830 que Nossa Senhora apareceu, em Paris, a Santa Catarina Labouré, então jovem religiosa, e lhe ensinou a devoção da Medalha Milagrosa1.

“Fazei cunhar uma medalha com este modelo. Todas as pessoas que a usarem receberão grandes graças, trazendo-a ao pescoço. As graças serão abundantes para as pessoas que a usarem com confiança” — prometeu a Santíssima Virgem.

A promessa efetivamente se cumpriu.

Quando iam ser cunhadas as primeiras medalhas, uma terrível epidemia de cólera, proveniente da Europa oriental, atingia Paris.

O flagelo se manifestou a 26 de março de 1832 e se estendeu até meados do ano. A 1º de abril, faleceram 79 pessoas; no dia 2, 168; no dia seguinte, 216, e assim foram aumentando os óbitos, até atingirem 861 no dia 9. No total, faleceram 18.400 pessoas, oficialmente; na realidade, esse número foi maior, dado que as estatísticas oficiais e a imprensa diminuíram os números para evitar a intensificação do pânico popular.

No dia 30 de junho, foram entregues as primeiras 1500 medalhas que haviam sido encomendadas à Casa Vachette, e as religiosas Filhas da­ Caridade começaram a distribuí-las entre os flagelados. Na mesma hora refluiu a peste e começaram, em série, os prodígios que em poucos anos tornariam a Medalha Milagrosa mundialmente célebre.

O Arcebispo de Paris, que autorizara a cunhagem da Medalha e recebera logo algumas das primeiras, alcançou imediatamente uma graça extraordinária por meio delas, e passou a ser propagandista entusiasta e protetor da nova devoção. Também o Papa Gregório XVI recebeu um lote de medalhas, e passou a distribuí-las a pessoas que o visitavam.

Até 1836, mais de 15 milhões de medalhas tinham sido cunhadas e distribuídas, no mundo inteiro. Em 1842, essa cifra atingia a casa dos 100 milhões. Dos mais remotos países chegavam relatos de graças extraordinárias alcançadas por meio da medalha: curas, conversões, proteção contra perigos iminentes etc.

 

 

Prodigiosa conversão

Mas, em janeiro de 1842, a conversão espetacular do judeu Afonso Ratisbonne — que apresenta notável analogia com a conversão do Apóstolo São Paulo na estrada de Damasco — chamaria ainda mais as atenções sobre a Medalha Milagrosa. Ratisbonne, jovem banqueiro de Estrasburgo, cheio de preconceitos e antipatias contra a Igreja Católica, estava viajando por Roma quando aceitou, meio a contragosto, uma Medalha Milagrosa que lhe ofereceu um nobre francês. Poucos dias depois, inesperada e milagrosamente, a Virgem lhe apareceu na Igreja de Sant’Andrea delle Fratte, e em poucos segundos o antigo inimigo da Igreja transformou-se no apóstolo ardoroso que viria a fundar, juntamente com seu irmão Padre Teodoro Ratisbonne, a Congregação dos Missionários de Nossa Senhora de Sion, dedicada à conversão dos judeus.

Em 1876, ano da morte de Santa Catarina Labouré, mais de um bilhão de Medalhas Milagrosas já espalhavam graças pelo mundo.

Em 1894, a Santa Igreja instituiu a festa litúrgica de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, a ser celebrada no dia 27 de novembro.

Em 1980, quando se comemoravam 150 anos da revelação da Medalha Milagrosa, o próprio João Paulo II, compareceu como peregrino ao local das aparições.

 



La Salette, Lourdes, Fátima

Para os devotos e propagandistas de Fátima, a Medalha Milagrosa tem um significado muito especial.

As aparições de Nossa Senhora a Santa Catarina Labouré, em 1830, marcaram o início de um ciclo de grandes revelações mariais. Esse ciclo prosseguiu em La Salette (1846), em Lourdes (1858) e culminou em Fátima (1917).

Desde 1830 Nossa Senhora se manifesta deplorando os pecados do mundo, oferecendo perdão e misericórdia à humanidade pecadora e prevendo severos castigos caso ela não se convertesse. Mas também anunciando que, após esses castigos, viria um triunfo esplendoroso do Bem.

Em novembro de 1876, um mês antes de sua morte, Santa Catarina Labouré afirmou: “Virão grandes catástrofes.... o sangue jorrará nas ruas. Por um momento, crer-se-á tudo perdido. Mas tudo será ganho. A Santíssima Virgem é quem nos salvará. Sim, quando esta Virgem, oferecendo o mundo ao Padre Eterno, for honrada, seremos salvos e teremos a paz”.

E em 13 de julho de 1917, Nossa Senhora prometeu formalmente em Fátima: “Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará”.

*   *   *

O leitor quer ter uma idéia da abundância e variedade dos dons concedidos por meio da Medalha Milagrosa?

Quer ter uma compreensão viva de como ela é atual nos dias difíceis que estamos vivendo?

Pois então leia os impressionantes depoimentos a seguir — todos documentados e recentes, pois se referem ao período de outubro de 1993 a novembro de 1997. São depoimentos de homens e mulheres das mais variadas regiões do Brasil, os quais alcançaram graças por meio da Medalha Milagrosa2.

 

 

Depoimentos de graças alcançadas

Proteção aos enfermos

“Um amigo me disse que seu pai estava desenganado pelos médicos devido a um problema no pulmão. O médico chegou a aconselhar uma reunião de todos os parentes, no quarto do hospital, para assistirem aos últimos momentos daquele senhor. Vendo o pai naquela angústia, sem poder respirar, meu amigo tirou a medalha do pescoço e colocou-a no pescoço do pai, dizendo: Papai, não se preocupe. Quem vai cuidar do senhor é Nossa Senhora. Imediatamente o pai começou a respirar normalmente e adormeceu. No dia seguinte estava curado. O médico não soube dar explicação e o pai nunca mais quis devolver a medalha”.

(J.N. – SP)

“A graça de Deus esteve presente aí”

“Uma amiga estava muito preocupada com a saúde de sua filha que estava esperando bebê. Ela me disse que lhe deu a Medalha Milagrosa para que a usasse, e que havia começado a novena. O problema foi se agravando, pondo em risco a vida da gestante e a do bebê que estava para nascer. Então, o médico resolveu operá-la. Nasceram gêmeos t­rês meses antes da data prevista, sendo imediatamente batizados; e se fortalecem a cada dia que passa. Constituiu surpresa para o próprio médico, que afirmou: A graça de Deus esteve presente aí”.

(M.H.A.S. – SP)

Obtenção de emprego

“Um rapaz buscava emprego há muito tempo. Embora seus esforços fossem constantes, nada conseguia. Um dia veio me visitar, e eu acabara de receber as medalhas. Coloquei uma em seu pescoço, dizendo-lhe que Nossa Senhora lhe conseguiria o emprego. Mal chegou em casa, encontrou uma carta convocando-o para um serviço público. Ele nunca mais se separou da medalha”.

(E.M.B.P. – SP)

Proteção num desastre automobilístico

“Meses atrás, quando voltava de um passeio, tivemos uma forte colisão com um ônibus que, desrespeitando o sinal, havia parado no meio da avenida. Todos os que olhavam nosso carro pensavam que havíamos morrido, tal o impacto sofrido. Na realidade eu sofri apenas uma pequena pancada na cabeça, sem maiores conseqü­ências, e o nosso motorista, meros arranhões. Nós dois portávamos a Medalha Milagrosa. Na hora do impacto eu ia bater a cabeça no vidro, mas senti como se fosse uma mão ou uma asa me levando para trás”.

(C.V.I. – SP)

“Foi a medalha que nos salvou”

“Meu filho é engenheiro e já foi salvo pela medalha. Dei uma medalha a seu motorista e lhe expliquei a devoção. Ele, então, adquiriu mais medalhas e um livrinho explicativo que iria deixar na sala dos motoristas da empresa. Voltando a Belo Horizonte com meu filho, o carro derrapou, bateu em uma estaca e foi cair, de rodas para cima, num barranco. Logo adiante havia um precipício. Saíram rápido do carro pelas janelas, pois havia perigo de incêndio. Não sofreram nada; e o motorista, tirando a medalha do bolso, disse: “Foi ela que nos salvou!

(M.B.A. – MG)

Sobreviveu a tiroteios, granadas e emboscadas

“Uma senhora portuguesa contou-me que um parente seu foi para a guerra em Angola. Antes de partir, sua mãe lhe deu a medalha, que ele pôs devotamente no pescoço. Disse que a medalha o protegeria na guerra, e que voltaria vivo à família. De fato, ele sobreviveu em meio a tiroteios, granadas e emboscadas, voltando são e salvo”.

(S.R.H.M. – SP)

Conversão de um moribundo

“Um parente, depois de levar uma vida péssima, dando todo tipo de maus exemplos, foi vítima de uma doença incurável que o deixou na mais extrema desolação. Quando estava prestes a morrer, chamaram um Padre. Ele o expulsou duas vezes, pois não queria se confessar. Tentou várias vezes o suicídio, chamava o demônio e atormentava quem dele cuidava. Certo dia recebeu a visita de uma religiosa, que prendeu em seu braço uma Medalha Milagrosa. Dias depois ele mandou chamar o Padre, confessou-se, recebeu os Sacramentos. Morreu tranqüilo e em paz”.

(A.F.V. – SC)

O alcoólatra parou de beber

“Uma colega de trabalho contou-me que o pai dela, depois que se aposentou há dois anos, entregou-se ao vício da bebida, trazendo muitos sofrimentos para a família. Todo tipo de tratamento foi tentado em vão. Falei-lhe, então, da medalha e lhe dei uma de presente, juntamente com a novena. Oferecida ao pai, ele não se opôs, e no mesmo dia passou a usá-la ao pescoço. Desde então parou de beber e voltou a ser o homem caseiro e amigo que sempre foi”.

(J.M.R.F. – MG)

Divórcio evitado

“Minha filha começou a ter problemas com o marido. Ambos brigavam muito e resolveram se divorciar. O marido voltou a morar com seus pais e minha filha ficou sozinha com o filho de 3 anos. Ao receber as Medalhas Milagrosas, coloquei-as no meu pescoço e nos das minhas filhas, e começamos a rezar a novena. Uma semana depois fui visitar minha filha. Ela me contou que depois que começou a rezar a Nossa Senhora e a usar a medalha, alguma coisa estava mudando dentro dela. Disse estar pensando o dia inteiro no marido, e que queria reatar o casamento. Hoje, minha filha e o marido estão novamente juntos. Acabaram-se as brigas e vivem felizes. Ela tem certeza de que foi a Virgem da Medalha Milagrosa quem salvou o casamento”.

(*** – MG)

“Ela nunca se sentiu tão bem”

“Dei a medalha a uma moça e ela me disse que se sentiu tão bem, que agora reza sempre a oração e, com uma imagem de Nossa Senhora das Graças, reza o terço diário junto com outras amigas. Contou-me que o nervosismo passou, e que ela tem experimentado uma profunda paz espiritual”.

(S.R.H.M. – SP)

Seqüestradores devolveram o menino

“Contou-me uma senhora o seguinte fato: Há uns 15 dias um menino foi seqüestrado. Ele estava sob os cuidados do avô, pois seus pais tinham viajado para os Estados Unidos. Quando os seqüestradores pegaram o menino das mãos do avô, este tirou uma medalha de Nossa Senhora das Graças que tinha consigo, apertou-a na mão e se pôs a rezar. Já dentro do carro com o menino, os seqüestradores não conseguiram sair. Após alguns momentos desceram do carro e devolveram o menino, dizendo que na frente do carro havia uma Senhora que não os deixava sair de jeito nenhum”.

(F.S.L. – MG)

“Ela protegia as pessoas”

“Estando só em minha casa, apareceu em meu quintal um homem portando um revólver, dizendo que fugia da polícia. Entrou, trancou a porta e pediu dinheiro. Dei-lhe o dinheiro e comecei a rezar jaculatórias. Disse-me que o dinheiro era pouco e começou a andar de um lado para outro como um louco, com a mão tremendo e segurando o revólver. Lembrei-me da Medalha Milagrosa e lhe ofereci, dizendo que Ela protegia as pessoas. Ele respondeu: Me dê logo essa medalha! Assim que a pegou, disse que ia embora e partiu”.

(A.M.M.M. – SP)

O movimento ocultista foi embora

“Instalou-se perto de minha casa um movimento ocultista. Freqüentemente eu passava por ali e quase sempre estavam as luzes acesas, havendo bastante movimento na casa. Duas vezes joguei Medalhas Milagrosas por cima do muro e comecei uma novena pedindo a Nossa Senhora que afastasse dali aquela gente. Alguns dias depois notei com alegria que não havia mais ninguém na casa, e que a placa do tal movimento havia sido retirada”.

(F.B.H. – RS)

Medalha Milagrosa afugenta macumba

“Em frente à minha casa moram pessoas que fazem macumba todas as sextas-feiras. Não me conformando com isso, coloquei uma Medalha Milagrosa em cima do muro e na fresta. Algumas semanas depois a casa estava à venda”.

(R.L.C. – SP)

Proteção em vestibulares

“Nosso filho havia feito, durante dois anos, vestibular para Medicina ­e apesar de faltarem poucos pontos não conseguia ingressar na faculdade. Na terceira vez, inscreveu-se em quatro faculdades. Foi reprovado em duas delas. Na terceira faculdade não havia se saído bem. Faltava a última oportunidade. Antes de ele sair para as provas, coloquei uma Medalha Milagrosa no seu pescoço. Foi aprovado, e hoje está cursando o primeiro ano de Medicina, e tudo vai indo maravilhosamente bem, graças a Deus e à Medalha Milagrosa”.

(M.R.S. – SP)

*   *   *

Como vimos, são depoimentos que atestam as mais diversas graças recebidas por meio da Medalha Milagrosa de Nossa Senhora das Graças: proteção aos enfermos, curas, alívios nas doenças; proteção a desempregados e a pessoas com problemas econômicos; proteção contra acidentes e perigos vários; conversões, graças de regeneração moral, afervoramento espiritual, recuperação de viciados; proteção contra a ação do demônio; proteção em casos de assaltos, roubos, seqüestros; resolução de problemas com vizinhos. Enfim, os mais diversos auxílios alcançados são aqui relatados, e muitos outros ainda podem ser vistos no livro abaixo mencionado na nota 2.

Possam estes relatos assombrosos ajudar-nos também a nós.

A Medalha Milagrosa não deixou de multiplicar seus prodígios até os nossos dias.

Todos nós necessitamos de grandes graças, sobretudo nos tempos difíceis e críticos que estamos vivendo. Pois peçamo-las a Nossa Senhora das Graças, com confiança, filialmente.

Não estará também o prezado leitor precisando de uma grande graça? Ou alguém da sua família, ou das suas relações de amizade?

Foi pensando em pessoas necessitadas como nós que a Virgem, a melhor de todas as mães, na sua misericórdia insondável nos trouxe a Medalha Milagrosa, este providencial auxílio vindo do Céu.

 

NOTAS

1. Sobre as aparições a Santa Catarina Labouré e sobre as dificuldades que esta enfrentou para conseguir de seu confessor que fossem cunhadas as medalhas como Nossa Senhora havia ordenado, Catolicismo já publicou diversos artigos: cfr. Antonio Augusto Borelli Machado, Santa Catarina Labouré — A noviça que viu Nossa Senhora, in Catolicismo nº 312, dezembro de 1976; Predições de Nossa Senhora a Santa Catarina Labouré, in Catolicismo nº 359, novembro de 1980; Intransigência dos Santos: fidelidade inarredável à sua missão — A firmeza inquebrantável de Santa Catarina Labouré na defesa do verdadeiro simbolismo da Medalha Milagrosa, in Catolicismo nº 515, novembro de 1993. Cfr. também José Francisco Gouveia, A Medalha Milagrosa conserva ainda sua atualidade?, in Catolicismo nº 445, janeiro de 1988.

2. Os depoimentos aqui reproduzidos são transcritos do livro A verdadeira história da Medalha Milagrosa, de Armando Alexandre dos Santos, publicado pela Editora Artpress, de São Paulo, em 1998, com mensagem de apoio e estímulo do Exmo. Revmo. Sr. D. Geraldo Maria de Morais Penido, Arcebispo Emérito de Aparecida.

Para pedir a Medalha Milagrosa, click aqui!

 

Novena da medalha milagrosa 

Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós

A medalha milagrosa

Usar medalhas não é uma superstição. No Concílio de Trento, em 1563, a Igreja fixou o bom uso de medalhas, imagens, escapulários, lembrando aos cristãos que é preciso que fique bem claro que, quando veneramos as imagens de Cristo, da Virgem e dos Santos, não significa que colocamos nossa fé nas imagens, e sim que veneramos as pessoas que elas representam.

Não devemos considerar a medalha de Nossa Senhora das Graças um talismã ou um amuleto com poderes mágicos. Ela nos ajuda a conservar o amor da Virgem vivo em nosso coração e em nosso espírito, nos estimulando a demonstrar nosso reconhecimento através da fé e de um comportamento digno de um filho de Nossa Senhora.

A mensagem da medalha é clara: “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós.” Ela nos revela a Imaculada Conceição de Maria e sua cooperação na salvação concedida por seu divino Filho, bem como sua maternidade universal.

(Do Devocionário a Nossa Senhora das Graças)


Novena da Medalha Milagrosa

Sinal da cruz

Ato de contrição

Senhor meu, Jesus Cristo, Deus e Homem verdadeiro, Criador e Redentor meu. Por serdes Vós quem sois, sumamente bom e digno de ser amado sobre todas as coisas, e porque Vos amo e estimo, pesa-me, Senhor, por Vos ter ofendido, e pesa-me também por ter perdido o Céu e merecido o Inferno.

Mas proponho firmemente, com o auxílio de Vossa divina graça e pela poderosa intercessão de Vossa Mãe Santíssima, emendar-me e nunca mais Vos tornar a ofender.

Espero alcançar o perdão de minhas culpas, por Vossa infinita misericórdia. Assim seja.

Rezar três vezes: “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”

1º dia - Primeira aparição

Contemplemos a Virgem Imaculada em sua primeira aparição a Santa Catarina Labouré.

A piedosa noviça, guiada por seu Anjo da Guarda, é apresentada à Imaculada Senhora. Consideremos sua inefável alegria.

Seremos também felizes como Santa Catarina se trabalharmos com ardor na nossa santificação.

Gozaremos as delicias do Paraíso se nos privarmos dos gozos terrenos.

Rezar três ave-Marias, seguida cada uma da invocação: “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”

Oração final

Santíssima Virgem, eu reconheço e confesso vossa Santa e Imaculada Conceição, pura e sem mancha.

Ó puríssima Virgem Maria, por vossa Conceição Imaculada e gloriosa prerrogativa de Mãe de Deus, alcançai-me de vosso amado Filho a humildade, a caridade, a obediência, a castidade, a santa pureza de coração, de corpo e espírito, a perseverança na prática do bem, uma santa vida, uma boa morte e a graça de (pede-se uma graça), que peço com toda a confiança. Amém.

2º dia – Lágrimas de Maria

Contemplemos Maria chorando sobre as calamidades que viriam sobre o mundo, pensando que o Coração de seu filho seria ultrajado na cruz, escarnecido e seus filhos prediletos perseguidos.

Confiemos na Virgem compassiva e também participaremos do fruto de suas lágrimas.

Rezar três ave-Marias, seguida cada uma da invocação: “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”

Rezar a oração final

3º dia – Proteção de Maria

Contemplemos Nossa Imaculada Mãe dizendo em suas aparições a Santa Catarina: “Eu mesma estarei convosco: não vos perco de vista e vos concederei abundantes graças.”

Sede para mim, Virgem Imaculada, o escudo e a defesa em todas as necessidades.

Rezar três ave-Marias, seguida cada uma da invocação: “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”

Rezar a oração final

4º dia – Segunda aparição

Estando Santa Catarina Labouré em oração, a 27 de novembro de 1830, apareceu-lhe a Virgem Maria, formosíssima, esmagando a cabeça da serpente infernal.

Nessa aparição vemos seu desejo imenso de nos proteger sempre contra o inimigo de nossa salvação. Invoquemos a Imaculada Mãe com confiança e amor!

Rezar três ave-Marias, seguida cada uma da invocação: “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”

Rezar a oração final

5º dia – As mãos de Maria

Contemplemos hoje Maria desprendendo de suas mãos raios luminosos.

Esses raios, disse Ela, são a figura das graças “que derramo sobre todos aqueles que mas pedem e aos que trazem com fé a minha medalha”.

Não desperdicemos tantas graças! Peçamos com fervor, humildade e perseverança e Maria Imaculada no-las alcançará.

Rezar três ave-Marias, seguida cada uma da invocação: “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”

Rezar a oração final

6º dia – Terceira aparição

Contemplemos Maria aparecendo a Santa Catarina, radiante de luz, cheia de bondade, rodeada de estrelas, mandando cunhar uma medalha e prometendo muitas graças a todos que a trouxerem com devoção e amor.

Guardemos fervorosamente a Santa Medalha, e como um escudo nos protegerá dos perigos.

Rezar três ave-Marias, seguida cada uma da invocação: “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”

Rezar a oração final

7º dia

Ó Virgem Milagrosa, Rainha Excelsa Imaculada Senhora, sede minha advogada, meu refúgio e asilo nesta Terra, minha fortaleza e defesa na vida e na morte, meu consolo e minha glória no Céu.

Rezar três ave-Marias, seguida cada uma da invocação: “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”

Rezar a oração final

8º dia

Ó Virgem Imaculada da Medalha Milagrosa, fazei com que esses raios luminosos que irradiam de vossas mãos virginais iluminem minha inteligência para melhor conhecer o bem e abram em meu coração vivos sentimentos de fé, esperança e caridade.

Rezar três ave-Marias, seguida cada uma da invocação: “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”

Rezar a oração final

9º dia

Ó Mãe Imaculada, fazei com que a cruz de vossa medalha brilhe sempre diante de meus olhos, suavize as penas da vida presente e me conduza à vida eterna.

Rezar três ave-Marias, seguida cada uma da invocação: “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”

Rezar a oração final