SÃO DOMINGOS GUSMÃO

SÃO DOMINGOS GUSMÃO

 
Fundador de Ordem
(1170-1221)
 
São Domingos de Gusmão nasceu em Vieille-Castille, que pertencia à cidade de Burgos, Espanha. Sua mãe, antes do seu nascimento, teve uma visão estranha; pareceu-lhe ver a criança a qual dera à luz, sob a forma de um pequeno cachorro, com chamas em sua garganta e colocando fogo sobre a terra.
Sua infância foi marcada por prodígios maravilhosos.
Jovem estudante, ele já vivia como um santo. Ele reservava todos os dias, horas para rezar, e meditar em Deus. Ela jejuava quase todos os dias, não tomava vinho, dormia pouco e não tinha outro leito senão o chão de seu quarto.
Um dia, já tendo tudo doado, ela disse a uma mulher que lhe pedia dinheiro para tirar seu irmão da prisão: “Eu não tenho ouro nem dinheiro, mas leve-me com você aos policiais, e eu me ofereço para trocar de lugar com seu irmão.” A proposição heróica não foi aceita, mas Domingos teve seu mérito. Adoecendo gravemente devido a seu trabalho e suas austeridades, ele foi curado subitamente por uma aparição de são Tiago Maior.
Domingos, vindo à França com seu bispo, ficou profundamente angustiado com o triste estado ao qual a heresia tinha reduzido as províncias do Midi (França) e resolveu trabalhar naquele país, para triunfo da fé. Consciente de suas deficiências para evangelizar tão vasta região, ele convocou missionários plenos de zelo, os quais foram os primeiros religiosos de sua Ordem.
Foi a esta época que a Santa Virgem lhe apareceu e lhe ensinou definitivamente, ordenando-lhe repassar, a devoção do Rosário, que logo se tornou o flagelo da heresia.
 

 
A Virgem guia São Domingos à vitória

 

 
Entre os milagres quotidianos que Deus operava em seu favor, está o de uma chuva que caía mas não o molhava; que um dia, sua bolsa e seus livros caíram dentro de um rio e foram recuperados vários dias depois, sem um traço de água.
Domingos foi a Roma para obter a aprovação da Ordem dos Irmãos Pregadores. Lá ele encontrou São Francisco de Assis, e estes dois grandes santos, que tinham vindo a Roma com o mesmo objetivo, se abraçaram como dois irmãos e ficaram amigos até a morte.
Domingos operou uma multidão de milagres, ressuscitou mortos e se dizia “o maior pecador do universo”.
Abbé L. Jaud, Vie des Saints pour tous les jours de l'année, Tours, Mame, 1950.
 
 
Assim um artista imaginou Cristo e a Virgem recebendo São Domingos de Gusmão no Céu.