UM LAMPEJO

Nem a tristeza da minha situação

me afogará no mar da solidão

nada me impedirá de nadar e sorrir

 

Nem as angústias da depressão

irão machucar meu coração

nada me impedirá de sonhar e sorrir

 

Nem o desespero de uma doença

nem a raiva de uma dura ofensa

nada me impedirá de viver e sorrir

 

Em meio as dores e duros espinhos

nos contratempos e descaminhos

nada me impedirá de filosofar e sorrir

 

Nos afogamentos do diário supérfluo

na contradição do transitório perpétuo

nada me impedirá de esperar e sorrir

 

Quero viver no momento meu aqui e agora

que tão doce ao meu coração aflora

nada me impedirá de esperar e sorrir

 

Quero manter na caminhada o otimismo

farei tudo para afogar o pessimismo

nada me impedirá de progredir e sorrir

 

Quero caminhar na certeza de chegar

quero buscar o que quero alcançar

nada me impedirá de voar e sorrir

 

Quero realizar meus sonhos e ideais

quero que para meus amados saúde Dais

nada me impedirá de conseguir e sorrir

 

Quero guardar sempre o bom senso

amar a verdade e a liberdade penso

nada me impedirá de ser e então sorrir.

 

Abril de 2010

Padre Álvaro