APÓSTOLA DA DIVINA MISERICÓRDIA

Santa Faustina Kowalska


05 DE OUTUBRO - O DIA DE SUA MORTE
 

No dia 05 de Outubro de 1938, às 22h45, a Irmã Maria Faustina Kowalska - Santa Faustina - após longos sofrimentos suportados com grande paciência, parte para o encontro com o Senhor. É um costume da Igreja Católica celebrar o dia do santo no dia de sua morte, ou melhor, do seu “nascimento” para a vida eterna.

Santa Faustina nasceu na Polônia no dia 25 de Agosto de 1905. Neste ano comemoramos o centenário do seu nascimento. Ele entrou para o Convento da Congregação das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia em 1925. Quando recebeu o hábito religioso Santa Faustina acrescentou ao seu nome acrescentou ao seu nome a expressão “do Santíssimo Sacramento” tal era sua devoção à Jesus na Eucaristia.

Em 1930, Santa Faustina recebeu de Nosso Senhor Jesus Cristo a mensagem da Divina Misericórdia, a qual ela deveria divulgar para o mundo. A ela foi atribuída a tarefa de ser a apóstola e secretaria da Misericórdia de Deus, um modelo de como ser misericordioso e um instrumento para divulgar o plano de Deus de Misericórdia para o mundo.

Isso não foi tão glamuroso quanto parece. Sua vida inteira, em imitação de Cristo, foi um sacrifício – uma vida vivida para os outros. Pelo pedido de Nosso Senhor Jesus Cristo, ela ofereceu seus sacrifícios em união com Ele para a reparação dos pecados do mundo.

Santa Faustina começou em 1934 a escrever um Diário, por obediência ao seu confessor Padre Sopocko e do próprio Jesus Misericordioso. Por quatro anos ela registrou as revelações divinas, suas experiências místicas, muitos pensamentos íntimos e orações. O resultado é um livro de aproximadamente 500 páginas que, em uma linguagem simples, repete e simplifica a evangélica história do amor de Deus por seu povo, enfatizando acima de tudo, a necessidade de confiar em Sua ação amorosa em todos os aspectos de nossa vida. Também revela um extraordinário exemplo de como responder à Misericórdia de Deus e manifestá-la aos outros.

A vida espiritual de Santa Faustina foi baseada em profunda humildade, pureza de intenção, e amor obediente à vontade de Deus em imitação das virtudes da Bem-aventurada Virgem Maria.

Sua especial devoção à Maria Imaculada e aos sacramentos da Eucaristia e da Reconciliação deram a ela força para suportar os sofrimentos e oferece-los em favor da Igreja e daqueles que tanto precisam, especialmente os pecadores e agonizantes.

Ela sofreu em segredo, somente o seu diretor espiritual e algumas de suas superiores estavam sabendo que algo especial se passava em sua vida. Após sua morte de tuberculose em 1938, até mesmo suas companheiras mais próximas ficaram surpresas ao descobrir os grandes sofrimentos e suas profundas experiências místicas que Santa Faustina experimentou, ela que foi sempre tão meiga e humilde. Ela levou a sério a recomendação do evangelho: “sedes misericordiosos assim como o Pai do Céus é misericordioso.

A mensagem da Misericórdia que Santa Faustina recebeu é agora divulgada ao mundo inteiro; ela foi canonizada pelas santas mão do Papa João Paulo II em 30 de Abril de 2000. Seu Diário – Divina Misericórdia na minha alma – tornou-se um manual completo da Devoção da Divina Misericórdia.

Em uma declaração profética, Santa Faustina declarou:

Sinto bem que a minha missão não termina com a morte, mas começará com ela. Ó almas incrédulas, eu vos descortinarei o véu dos Céus para vos convencer da bondade de Deus, para que não machuqueis mais com a dúvida o dulcíssimo Coração de Jesus. Deus é Amor e Misericórdia! (Diário, 281)