MISTÉRIO DO NATAL

Nesta festa de amor e alegria desejamos um feliz e santo Natal. 

 
 
O MISTÉRIO DO NATAL
 

"Mesmo os que têm uma fé diferente, ou os infiéis, para os quais a antiga história da criança de Belém nada significa, preparam‑se para a festa e pensam, em como acender um raio de alegria em toda parte. É como uma correnteza quente de amor perpassando toda a terra, meses e semanas antes.
 
Uma festa de amor e de alegria. 
O menino no presépio é o Rei dos reis, Aquele que reina sobre a vida e a morte. Ele diz : «Segue-me», e quem não está com Ele está contra Ele (Lc 11,23). Isto Ele di-lo também para nós e dá-nos a escolher entre a luz e as trevas. Ignoramos aonde o Menino divino nos quer conduzir aqui na terra, e não o devemos perguntar antes do tempo certo. O que sabemos, é que tudo contribui para o bem daqueles que amam o Senhor (Rm 8,28), e que os caminhos traçados pelo Senhor vão para lá desta terra.
 
Ao tomar um corpo, o Criador do género humano ofereceu-nos a sua divindade. Deus fez-se homem para que os homens pudessem tornar-se filhos de Deus. «Ó troca admirável!» É por essa obra que o Salvador veio ao mundo. Um de entre nós houvera rompido o laço da nossa filiação em Deus; de entre nós um deveria renunciar e expiar a sua falta. Mas rebento algum da velha cepa, doente e degenerada, o pôde fazer; era preciso que nesse tronco fosse enxertada uma planta nova, sã e nobre. Ele tornou-se assim um de nós e muito mais do que isso: um em nós. Aqui está o que de mais maravilhoso há no género humano: que todos sejamos um. […] Ele veio para formar connosco um corpo misterioso: Ele é o Chefe, a cabeça, e nós os seus membros (Ef 5, 23.30).
Se aceitarmos pôr nas mãos do Menino divino as nossas, se respondermos «Sim» ao seu «Segue-me», então seus seremos e o caminho ficará livre para que Ele nos passe a sua vida divina. Assim é o início da vida eterna em nós. Não é ainda a visão beatífica na luz da glória, é ainda a obscuridade da fé; mas já não é a obscuridade deste mundo – é estarmos já no Reino de Deus" (Santa Teresa Benedita da Cruz). "  
 
 
NATAL
 O céu está escuro, a terra, branca;
Sinos, tocai alegremente!
Jesus nasceu. A Virgem inclina
Sobre Ele, seu formoso rosto.
 
Não há cortinas elegantes
Para preservar o menino do frio,
Nada existe além de teias de aranha
Que pendem das vigas do teto.
 
Ele treme sobre a palha fria,
Esse querido pequeno Menino Jesus,
E para aquecê-lo, no presépio,
O burro e a vaca resfolegam sobre ele.
 
A neve sobre a palha que cobre o estábulo tece franjas
Mas, sobre o teto se abre o céu.
E, com Pureza, o coro dos Anjos
Canta para os pastores: “Natal! Natal!”
__._,_.___
 
 
 
O SENTIDO DO NATAL
 
Nós, cristãos, acreditamos que o nascimento, a vida, a morte e ressureição de Jesus tornaram possível um novo nascimento do mundo.
Esse acontecimento é o Reino de Deus que conta com a nossa colaboração o nosso compromisso pessoal e comunitário na transformação do  mundo, aqui e agora, até que Deus seja tudo em todos.
 
 
FELIZ E SANTO NATAL E UM ANO NOVO REPLETO DAS BÊNÇÃOS DE DEUS.