O DISCERNIMENTO DAS APARIÇÕES

COMO SABER SE SÃO VERDADEIRAS OU FALSAS:

Aqueles a quem Deus concede a graça de uma aparição podem não saber se expressar, não saber descrevê-las. Seus confessores devem estar prevenidos até que o tempo mostre os frutos dessas aparições. Devem, outrossim, observar, pouco a pouco, o que a alma recebe em humildade e força na virtude. Se vierem do demônio, logo se verá pelos sinais evidentes e suas mil mentiras serão percebidas.

     Se o confessor é experiente, por haver recebido tais favores, não precisará de muito tempo para entendê-los. Só pelo modo como a pessoa lhe descreve as visões, tendo ouvido o relato, ele poderá discernir, imediatamente, se é uma mercê, um favor que vem de Deus, ou se é algo que vem da imaginação ou do demônio. Especialmente se foi gratificado por Sua Majestade com o dom de discernir espíritos. Se possuir este dom e for uma pessoa douta, instruída, conhecerá a verdade, ainda que lhe falte experiência.

Santa Teresa d’Ávila, doutora da Igreja (1515 - 1582)
Le Château intérieur, (Castelo Interior ou moradas) IX, parágrafo 11