O ARREBATAMENTO

Vos digo um mistério: Não morreremos todos, mas todos seremos mudados. 

É doutrina da Igreja e derivada da Sagrada Escritura:

Muita gente acredita que a noção do arrebatamento é unicamente protestante e que a Igreja Católica não ensina nada a respeito. Vamos mostrar que ela é parte de uma doutrina da Igreja que é derivada da Sagrada Escritura. De fato, muitas mensagens dadas por Nosso Senhor e Nossa Senhora aos autênticos Videntes Católicos mencionam o arrebatamento de uma grande quantidade de Fiéis Católicos pertencentes à Igreja Remanescente antes do Grande Castigo.

 

 

1.     Examinemos o 1 Tessalonicenses 4; 13-16 “Pois, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, (cremos) também (que) Deus trará com ele aqueles que adormeceram nele. Nós, pois, vos dizemos isto, segundo a palavra do Senhor, que os que estamos vivos, que fomos reservados para a vinda do Senhor, não passaremos adiante daqueles que adormeceram. Porque o mesmo Senhor, ao mando (de Deus), à voz do arcanjo e ao som da trombeta de Deus, descerá do céu; os que morreram em Cristo, ressuscitarão primeiro; depois, nós os que vivemos, os que ficamos, seremos arrebatados juntamente com eles sobre as nuvens, ao encontro de Cristo, nos ares, e assim, estaremos para sempre com Senhor.”  

 

 

Primeiro, devemos estabelecer o contexto ou circunstância em que esta citação se refere. Aqui ela não se refere ao Julgamento Final pois nem todos os mortos se levantarão mas somente aqueles mortos na fé, denominados “os que morreram em Cristo e “os mortos que estão em Cristo. Aquelas pessoas que morreram através da redenção de Jesus Cristo ou morreram em Graça Santificante (com o Abrigo de Espírito Santo na hora de suas mortes), são ditas morrer em Cristo (ou em união com Cristo). Elas estão salvas e simplesmente serão ressuscitadas. Portanto, a citação Bíblica se refere à Segunda Vinda durante o Grande Castigo (uma forma de grande julgamento) porém não para o Julgamento Final no qual todas as pessoas mortas ressuscitarão para serem julgadas por Cristo. 

 

 

Os versos acima não especifica se todos os mortos fiéis ou apenas aqueles que morrem durante a Grande Tribulação precedendo os Três Dias de Trevas serão ressuscitados. Mas é claramente especificado em Apocalipse 20: 4-6 “Vi tronos e (vários personagens que) se sentaram sobre eles e lhes foi dado o poder de julgar; vi também as almas daqueles que foram degolados por causa do testemunho de Jesus e por causa da palavra de Deus, e aqueles que não adoraram a besta nem a sua imagem, nem receberam o seu caráter sobre a fronte ou sobre as mãos e viveram e reinaram com Cristo durante mil anos. Os outros mortos não tornarão à vida até se completarem mil anos. Esta é a primeira ressurreição. Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; a segunda morte não tem poder sobre estes, mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo e reinarão com ele durante mil anos.” 

 

 

O texto acima nos diz que apenas aqueles que são martirizados pelo Anticristo serão ressuscitados para viverem com Cristo no Reino da Paz na terra que durará um tempo limitado simbolizado por “mil anos” antes do Julgamento Final. O resto dos mortos não serão ressuscitados até o Reino da Paz se completar. Assim a primeira ressurreição é a ressurreição dos mártires mortos durante o reino do Anticristo vindouro. A segunda morte ocorre após o Julgamento Final quando os pecadores vão para o Inferno para sofrer a “morte” da alma e do corpo. Na verdade, no Inferno, após o Julgamento Final, não existe morte literal de corpo ou alma. 

 

 

1 Coríntios 15; 21-28 “porque, assim como a morte veio por um homem, também por um homem veio a ressurreição dos mortos. E, assim como todos morrem em Adão, assim todos serão vivificados em Cristo. Mas, cada um em sua ordem; como primícias, Cristo; depois os que são de Cristo, que creram na sua vinda. Depois será o fim, quando (Cristo) tiver entregado o reino de Deus e ao Pai, quando tiver destruído todo o principado e potestade e poder. Porque é necessário que ele reine, “até que ponha todos os inimigos debaixo de seus pés”. Ora, o último inimigo a ser destruído será a morte; porque (Deus) “todas as coisas sujeitou debaixo dos pés dele”. E quando (a Escritura) diz: Tudo está sujeito a ele, excetua-se sem dúvida aquele que lhe sujeitou a ele todas as coisas, a fim de que Deus seja tudo em todas as coisas.” 

 

 

O verso “Então eles que são do Cristo, aqueles que creram na sua vinda” entendido em relação com os três versos precedentes claramente estabelece a primeira ressurreição daqueles que morrem acreditando na Segunda Vinda de Cristo antes do Julgamento Final que é indicado por: Depois será o fim, quando tiver entregado o reino de Deus e ao Pai, quando tiver destruído todo o principado e potestade e poder.” 

 

 

O Reino de Paz é indicado por Porque é necessário que ele reine, até que ponha todos os inimigos de baixo de seus pés.” Novamente, o Julgamento Final se refere ao período “quando tudo será por Ele subjugado, quando o próprio Filho se sujeitará a Ele e que Deus seja tudo em todas as coisas”. Portanto, o Filho deve reinar por um tempo então Ele Se sujeita ao Pai após o Julgamento Final. 

 

 

Após o Julgamento Final, “o inimigo, morte, será destruído” portanto não haverá mais morte. Após a ressurreição quer durante o Arrebatamento ou durante o Julgamento Final o corpo se tornará “semelhante à alma”, chamado corpo espiritual, de tal maneira que o fogo do Inferno não matará o corpo (muito menos a alma). É por isso que tanto o corpo quanto a alma são sujeitos a tormentos eternos sem morrer. Se um corpo humano no Inferno permanece na forma de um corpo animal como quando nós estamos vivos, ele morrerá. O fogo sobrenatural no Inferno é milhares de vezes mais quente que o fogo da terra. 

 

 

1 Coríntios 15; 35 “Mas, dirá alguém: Como ressuscitarão os mortos? E com que corpo virão?” 

1 Coríntios 15; 42-44 “Assim também a ressurreição dos mortos. Semeia-se (o corpo) corruptível, ressuscitará incorruptível. Semeia-se na ignomínia, ressuscitará glorioso; semeia-se inerte, ressuscitará robusto; é semeado um corpo animal, ressuscitará um corpo espiritual. Se há corpo animal, também o há espiritual.” 

1 Coríntios 15; 52-53 “Num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta (porque a trombeta soará) os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos mudados. Importa que este (corpo) corruptível se revista da imortalidade.” 

 

Após a ressurreição, o nosso corpo torna-se corpo espiritual possuindo a imortalidade. Portanto, quer sejamos pecadores,  quer sejamos santos, nos tornaremos imortais. O corpo dos pecadores não morrerá porque é agora um corpo espiritual. Ainda mais, este sofrimento é tão grande que se assemelha à morte. Comparem isto com 1 Coríntios 15; 30-31 no qual S. Paulo diz de seu sofrimento pela perseguição, “Por que também estamos em perigo toda a hora? Eu morro diariamente.” Reciprocamente para os santos do Céu, o seu corpo não morrerá apesar da irresistível felicidade porque agora é espiritual e imortal. Muitos videntes que têm visto o Inferno relatam que se a Nossa Mãe Bem-Aventurada não lhes tivesse dado graças e lhes fortalecido, poderiam ter morrido. Morte por apenas olhar o Inferno!

 

Da mesma maneira, muitos videntes também disseram que quando Deus mostrou-lhes o Céu, teriam morrido pela tamanha felicidade se Deus não lhes tivesse providenciado grande graça para sustentar os seus corpos frágeis. Imaginem simplesmente que podemos morrer apenas em olhar o Céu! De fato, Salmo 38; 6 “... o meu ser é como nada diante de ti...”Além disso, o corpo dos santos torna-se glorificado porque “nós seremos transformados”. Os santos no Céu serão como anjos mesmo com os seus corpos. Considerando que o corpo dos pecadores não seja glorificado; ele apenas torna-se semelhante ao espírito e imortal, como é indicado pelo 1 Coríntios 15;51 “

 

 

“Eis que vos digo um mistério; não morreremos todos, mas todos seremos mudados.” Os pecadores no Inferno se assemelharão aos demônios mesmo em seu corpo. 

Deste modo, durante a Segunda Vinda de Jesus, aqueles que não receberem a Marca da Besta, não adorarem o Anti-Cristo, e são mortos por ele por levar o testemunho de Jesus Cristo, serão ressuscitados e elevados para encontrar Cristo. 

 

 

2.     Depois, a frase crucial para o arrebatamento dos fiéis vivos, é “depois, nós os que vivemos, os que ficamos, seremos arrebatados juntamente com eles sobre as nuvens, ao encontro de Cristo, nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor.” A citação em latim para 1 Tessalonicenses 4;16 é “Deinde nos, qui vivimus, qui relinquimur SIMUL RAPIEMUR cum illis in nubibus obviam Christo in aerea, et sic semper cum Domino erimus”. “Rapture” (arrebatamento) é o substantivo inglês derivado do verbo latino “rapiemur”, que é estreitamente relacionado com a palavra grega “Harpasdo” .

 

           Esta palavra é usada pelo S. Paulo e também usada por S. João em Apocalipse 12; 5: “Ora, ela deu à luz um filho varão, que havia de reger todas as gentes com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono.” Portanto arrebatamento é equivalente ao ser arrebatado ou levado para cima para o ar para encontrar o Senhor. (Nota: a citação latina e explanação vêm do Reverendo John W. Tombler e Reverendo Hubert J. Funk, The Rapture: A Catholic View of the Latter Days and the Second Coming. Trumpet Press, Inc., East Orange N. J., 1977. Ambos autores são professores da Setton Hall University. De acordo com os autores, O Arrebatamento da Igreja é “um Dogma muito negligenciado da Igreja Católica”(p. 73)). 

 

 

Mas isto não é tudo. Vamos examinar as verdadeiras palavras de Nosso Senhor em Lucas 17; 34-37 “Eu vos digo: nesta noite, de dois homens que estiverem num leito, um será tomado e o outro deixado. Duas mulheres estarão moendo juntas, uma será tomada e a outra deixada; dois estarão no campo, um será tomado e o outro deixado. Respondendo eles, disseram-lhe: Onde será isso, Senhor? Ele disse-lhes: Onde quer que estiver o corpo, juntar-se-ão aí também as águias.”

 

A palavra crucial é “levado”. Os discípulos do Nosso Senhor perguntaram “Onde, Senhor?” ou “Para onde, Senhor?” O Nosso Senhor responde “onde quer que estiver o corpo”. O Nosso Senhor referiu-se a aquelas pessoas que eram levadas como águias e as águias se reuniriam onde quer que o corpo se encontrasse. Assim, quem são as águias e o que é o corpo? A palavra grega para águia é aetios. As águias são aqueles com Graça Santificante elevando-se em direção ao alto. Pois, para os vivos, serem elevados significa serem salvos. O corpo é o CORPO DO CORDEIRO IMOLADO, i. e. Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Deste modo, uma grande quantidade de fiéis vivos serão arrebatados com os mártires, para o céu para encontrar Cristo. 

 

 

3.     Parece que 50% dos fiéis serão arrebatados, o resto terão de provar os Três Dias de Escuridão e a Grande Guerra Nuclear. Mas eles serão protegidos por Nosso Senhor e Nossa Senhora dos efeitos de todas as calamidades. É por isto que entre 1/4 e 1/3 dos 5,4 bilhão de pessoas sobreviverão.

 

 

Qual a condição para serem levados em arrebatamento? De acordo com as Mensagens dadas à Dra. MaryJane Even em 1 de maio de 1997, aqueles que tenham completado a penitência por seus pecados ou tenham completado o sofrimento Purgatório sobre a terra antes do Grande Castigo (Três Dias deEscuridão) serão arrebatados.  

Como todos nós sabemos que cada pecado deve ser reparado e expiado mesmo nesta vida ou napróxima. Se morremos com os pecados mortais não confessados na nossa alma, iremos para o inferno.

 

 

Se morremos com os pecados veniais, vamos para o Purgatório para expiar, para reparar os nossospecados lá, antes de sermos admitidos para o Céu. Para evitar o Purgatório, temos de fazer penitênciae reparação por nossos pecados nesta vida. Isto é chamado sofrimento Purgatório na terra. Fazerpenitência, reconciliação, reparação, expiação para os pecados nesta vida significa fazer deveres, suportar doenças, sofrimentos, fazer orações, caridade, abstinência, mortificações do corpo ealma, indo à Missa diária. Quando fazemos os nossos deveres diários, exercemos algum bom trabalho, sofremosadversidade ou doença, nós os oferecemos ao Deus como reparação dos nossos pecados. 

A Igreja nos ajuda a reduzir o tempo de permanência no Purgatório dando as indulgências pelos bons atos tais como as orações. 

 

4.     No novo Libreto de Indulgências editado pela Santa Sé, de 29 de junho de 1968, uma indulgência é definida como a remissão perante Deus dos castigos devido aos pecados daqueles cujas culpas já foram perdoadas, uma remissão no qual um fiel, sinceramente arrependido e sob uma condição definida, pode adquirir através da Igreja que como ministro da redenção oficialmente dispensa e aplica o tesouro das satisfações do Cristo e dos santos. 

 

 

Uma indulgência é plenária ou parcial, dependendo se ela libera o fiel de todo ou parte do castigo temporal devido a um pecado. 

 

1.     Uma indulgência parcial é concedida a um fiel que, no desempenho de seus deveres e de suportar os pesos da vida, levanta a sua mente a Deus em humilde confiança, somando a ela - mesmo apenas mentalmente - alguma invocação piedosa. Algumas invocaçções são:

                Jesus, Maria José, eu Vos amo salvai as almas.

              Coração de Jesus, eu confio em Vós.

                 Tudo pelo Sagrado Coração de Jesus através do Imaculado Coração de Maria para Deus Pai. 

                  Em todas as coisas Vós sois abençoados, Ó Senhor, nós Vos abençoamos; nós Vos louvamos; nós Vos damos graças; nós Vos imploramos, Ó Senhor Nosso Deus. 

                  Nós retamente Vos louvamos, Ó Senhor Nosso Deus, e Vos damos graças todo o tempo. 

                  Seja feita a Vossa vontade. 

                  Meu Deus, eu creio, eu adoro, eu espero, e eu Vos amo. Peço perdão por aqueles que não crêem, que não adoram, não esperam e não Vos amam. 

Mais invocações poderão se encontradas no artigo sobre as orações

Para tornar nosso trabalho em oração, toda vez que fazemos alguma coisa, digamos: “Por amor a Vós, Ó Sacratíssimo Coração de Jesus, para a salvação das almas, e em reparação pelas ofensas cometidas contra o Imaculado Coração de Maria.” Esta oração foi ensinada por um Anjo às três crianças de Fátima. 

 

 

2.     Uma indulgência parcial é também dada ao fiel que, animado pelo espírito de fé e com um coração misericordioso, se dá, ou seus bens para o serviço da irmandade que está em necessidade.

 

 

3.     Uma indulgência parcial é dada a alguém que no espírito penitente de sua convicção, abstém-se de alguma coisa permitida que ele gosta.

 

 

4.     Existem numerosas orações e bons trabalhos para o qual a indulgência plenária é outorgada. 

 

 

      Por exemplo.

·       recitando a oração do rosário na igreja ou oratório público, ou em família, ou numa Comunidade religiosa, ou numa Associação piedosa. Pelo rosário entenda-se aqui, pelo menos cinco dezenas. Para ganhar a indulgência plenária o rosário deverá ser recitado continuamente, sem interrupção; para a oração vocal deve ser acrescida meditação devota em cada mistério.

·       Leitura da Sagrada Escritura com reverência devido à palavra divina por pelo menos meia hora, como leitura espiritual.

·       Fazer a Via Sacra.

·       Uma visita de adoração ao Santíssimo Sacramento por pelo menos meia hora.

·       Uma visita ao cemitério e algumas orações ali, para as pobres almas em cada dia, de 1 a 8 de novembro.

·       E, muito mais...

 

 

5. Viver no Reino da Paz sobre a terra é equivalente a viver no Céu. Isto significa que a pessoa deve estar livre de pecados e de todo o castigo devido aos pecados. O arrebatamento se iniciará imediatamente após o Grande Milagre, para aqueles que completarem o seu Purgatório sobre a terra. O arrebatamento continuará até os Três Dias de Trevas. Tão logo ele/ela complete o seu sofrimento de Purgatório sobre a terra, ele/ela será arrebatado. Entretanto, algumas pessoas que completarem o seu sofrimento Purgatório, poderão ser escolhidas por Deus para permanecer e ajudar os outros que ainda não terminaram a penitência e que devem submeter-se ao Grande Castigo que incluem os Três Dias de Trevas.

 

Elas pertencem ao grupo de fiéis remanescentes que será protegido durante este terrível acontecimento. A maneira de proteção oferecida a este grupo está descrita por Nosso Senhor nas visões de John Leary. Portanto, todos aqueles que sobreviverem o Grande Castigo e entrarem no Reino da Paz terão sofrido o seu Purgatório sobre a terra.