QUEM PRATICA O ABORTO NÃO PODE COMUNGAR

O Prefeito da Signatura Apostólica — Supremo Tribunal da Santa Sé — D. Raymond Leo Burke, declarou à revista italiana “Radici Cristiane” que os abortistas, sejam simples cidadãos ou políticos, não podem receber a santa comunhão, e acrescentou que os ministros têm obrigação de lhes negar o sacramento enquanto não desistirem de apoiar esse crime abominável. O arcebispo lembrou que “receber indignamente o Corpo e o Sangue de Cristo é um sacrilégio, quando ocorre deliberadamente em pecado mortal”. Entra neste caso qualquer “funcionário público que, com conhecimento e consentimento, sustenta ações que vão contra a lei moral divina e eterna. Por exemplo, se apóia publicamente o aborto provocado”. É “simplesmente errôneo” achar que a fé deve se reduzir ao âmbito privado esquecendo o âmbito público, por isso esta norma não interfere indevidamente no plano político, esclareceu Mons. Burke.

  

(Agência Boa Imprensa – ABIM