TEMOS QUE CONSIDERAR

PORQUE?

Temos sempre que considerar, que entre sofrer algo na própria carne ou espírito e ler o que foi sofrido por alguém, têm uma diferença imensa, ou seja, jamais seremos capazes de medir a dor do próximo, diante duma Cruz que ele carrega ou de algo que sofre.

Nosso Senhor misericordioso nos chama: Vem e segue-Me!

Muitas vezes a noite que a alma atravessa é tão escura, as trevas são tão densas, que o homem pensa não ser capaz de suportar.

Mesmo assim ele segue o Senhor, ouvindo e sofrendo, tudo o que Ele permitir.

Quantas vezes, o chão parece tremer debaixo dos nossos pés, pensamos não mais ter forças para caminhar ou mesmo manter-se em pé? Quantas vezes o homem questiona: “Porque tenho que sofrer tanto? Existe ainda uma justiça na terra? Porque DEUS me destinou uma vida tão pesada? O que tenho a ver com isso que acontece à minha volta – o que eu fiz, para assim merecer? Por que És tão cruel DEUS? Tu dormes, porque não atendes minhas súplicas, minhas lamentações? Estou  simplesmente exposto ao arbítrio, a tirania?”

Nosso ambiente, nossa vida, se torna muitas vezes um único: “POR QUÊ?”

Diz o homem: “Oh! Deus, responda! Quase não suporto mais. Algo tem que acontecer, isto tem que acabar.”

E o Senhor quando vê o homem desfalecer, intervém:

“PAI!” E toma todos os porquês e os guarda em Si. Isto Ele fez na noite no Monte das Oliveiras, quando deu-nos uma solução para todo este tormento: “PAI, não a Minha, mas a Tua vontade seja feita!”

Só nisto está a solução. A resposta de todos os nossos porquês. Sofrer em união com Deus, entregar-se ao Bom Deus, para que tudo aconteça de acordo com a Tua Santíssima Vontade! Como o Senhor fez.

Pois só Deus sabe o nosso caminho, a nossa aflição, Ele sabe como dirigir nosso destino sobre toda a provação, no grande plano que Ele tem para a nossa vitória e a vitória daqueles que Ele nos confiou.

Porém muitas vezes o homem agora só percebe o cochichar bem próximo dos inimigos de sua alma: à quantas acusações e censuras, críticas e escárnios, ele é agora submetido. Como o homem tem vontade de tudo largar e não mais perseverar.

E então solta um grito e pergunta: “Senhor porque deixastes acontecer tudo Contigo?” O Senhor tinha se calado diante de tudo, Ele se calou a estas, embora pudesse ter revidado também.

O Senhor deixou-Se comprimir, apertar e o Sangue já alcançava o tornozelo.

O homem é ainda entregue a uma caterva de inimigos, é empurrado de um lado para outro, e já não sente o Senhor, nenhuma ajuda celeste chega a ele agora. Então o homem escuta o gemer de criancinhas, que perguntam: “Porque a mãe nos assassina? O que nós fizemos?”

Então o homem pode escutar algo que estala, e pode ouvir o Senhor perguntar: “Porque tu me bates? O que Eu fiz?”

Será, ó homem, que te encontras nesta escuridão, embora queira ajudar, agora quer se defender e ir embora?

Não precisa o Senhor da tua expiação?

“Porque tu queres ir agora embora? Tu não tinhas prometido que ficaria sempre com o Senhor? Venha o que vier? Que nunca O abandonaria?”

“E agora porque tu não ages de acordo com o que outrora jurou”: “-Que se todos Me abandonassem; tu irias me seguir mesmo até a morte!” OU “ tu só querias ir com o Senhor no caminho bom?” “ No caminho da misericórdia, mas não no caminho da Cruz”

Lembras que dissestes ainda “-Que se arrependeu a vida toda, por não ter Me seguido?”.

Agora, todos se viram contra o homem: com escárnio, curiosidade, inúmeros porquês, acusações, julgamentos, etc. E ai, se alguém lhe pergunta: “Tu és também um destes discípulos de Jesus?”

Esperas que Ele te faça um milagre, que todos te entendam? Cada palavra sua, por mais que tentes justificar-te, se perde na multidão amotinada, onde cada um que acusa, que julga, tem o punho cerrado contra Deus.

O homem ainda tem que ouvir diante de toda luta e sofrimento que atravessa: “Onde está o teu Deus?”. O homem sente-se encostado, encurralado a uma parede e ainda tem que ouvir e sofrer os açoites de satanás e dos inimigos que agem muitas vezes em nossos entes mais próximos:

“Porque Tu não respondes aquilo que falo contra Ti? Por quê?”.

Como o Senhor agiu, ó homem, diante disto?

Nenhuma palavra de defesa saiu da Sua boca.

E nós? – Quantas desculpas e respostas temos; como nos defendemos, como nos irritamos, quando acontece uma injustiça conosco, como gostamos de pagar tudo de volta até no último centavo!

Jesus se cala! Ele se calou para expiação por nossa causa.

E agora o que faço? Expio pelo que me acusa injustamente e pelo que me agride com palavras nem um pouco amáveis? 

Enfim escurece ainda mais, mas o homem é conduzido à um caminho estreito, muito apertado.De repente o homem olha e vê: “Oh, DEUS, é o Senhor!”. E tão logo, já quer perguntar: “Por quê?”.

Mas ele sente algo morno subir pelos tornozelos, é Sangue, e já se tornou um riacho, flutua-se sobre toda a terra, e não para mais, parece vir de uma fonte.

O homem escuta então teu Santo Anjo que lhe diz: Isto deves ter diante de ti a vida inteira e não mais esquecer: “ vistes como o Sangue do Senhor é tirado com golpes, por causa de ti até o fim do tempo, e agora já está passando os teus joelhos...”

O Tempo está próximo de findar-se, expia por aqueles que o Bom Deus coloca em seu caminho.

Quando tu procurares um apoio, e estiveres em meio a soluços, encontrarás sempre uma madeira muito áspera: A madeira da Cruz, estendida no chão. Então leva a tua mão e a coloque no teu ombro, só assim enxergarás através de um véu: a Mãe do Senhor! Mãe que também sofre e à qual irás perguntar: “Mãe, o que os homens Te fizeram! Porque Tu, a inocente tem que sofrer tal?”

Ela te responderá: “Por quê? Porque DEUS quer assim!” E nada mais lhe dirá.

Embora o homem não mais A sinta e A perceba, Ela ali estará o ajudando a carregar a cruz.

Mas o homem deve estar consciente de que mesmo que nenhuma culpa seja encontrada, ele sempre ouvirá outra e mais uma vez, a multidão enfurecida, que agirá como um monte de animais selvagens e que como possessos bradarão: “Crucifica-O!”, porém com cada: “Crucifica-O”, o Sangue do Senhor vai subindo cada vez mais, e isto será até o fim do tempo!

 Mas a taça já está cheia e transborda!